top of page
  • Foto do escritorJanete Cardoso

O que levar em consideração ao escolher a escola do seu filho?

Atualizado: 1 de jul. de 2021

A função da escola é, além de oportunizar o conhecimento, ser um espaço de interação social seguro e saudável para que a criança possa estabelecer e fortalecer vínculos afetivos e também possa se relacionar e resolver suas questões básicas no dia a dia. Portanto, a escola trabalha em duas grandes frentes: conhecimento e relações.

Bem, a grande questão é que, quando os pais visitam as escolas, o discurso de quem apresenta a escola é sempre muito semelhante e, as famílias, que não estão em contato com teorias educacionais e nomenclaturas específicas, acabam ficando com as mesmas dúvidas que tinham ao iniciar a conversa.

Aqui está a primeira questão que quero abordar sobre perfil de escola.

As escolas têm algumas diferenças bem básicas entre elas. Citarei três, que considero relevantes para o momento.

1ª A concepção da escola sobre como se aprende.

O conhecimento é construído ou transmitido? Conhecimento construído é quando, no dia a dia, o professor parte do que a criança já sabe e instiga-a a buscar respostas para situações concretas, no nível de compreensão da criança. Sabemos que as crianças têm e fazem muitas perguntas. Estas perguntas são absorvidas pelos professores em sala? Se sim, a escola tem a perspectiva de construção do conhecimento e essa perspectiva leva o estudante a desenvolver-se de forma mais autônoma e responsável. Por outro lado, quando a escola tem a perspectiva do conhecimento transmitido, “o professor sabe tudo” e a criança tem que aprender no tempo em que o professor disponibiliza os assuntos que ele deverá aprender. Como é possível perceber isso no dia a dia? Normalmente a escola segue rigorosamente livros, apostilas e textos prontos. As crianças precisam copiar muito e devolver respostas prontas nas provas. Há pouca interação entre as crianças e, ao final, a criança é cobrança por um desempenho estabelecido pela escola. Isto pode gerar angústias nas crianças e sensação de não estar no nível exigido pela escola.

2ª A forma como a escola cuida da saúde das crianças.

Durante o turno em que a criança está na escola, há diferentes espaços para a criança frequentar? Por exemplo: há espaço ao ar livre? Há espaço seguro para atividades corporais? Há espaço para arte e manifestações culturais das crianças? Onde as crianças fazem o seu lanche? Como é a rotina das crianças?

Quando estas perguntas são respondidas de forma concreta, mesmo que os espaços físicos sejam simples, eles existem na escola e você perceber que eles são utilizados, é grande chance dessa escola estar atenta a saúde da criança como um todo. A a concepção da escola estará concentrada na prática de que a criança aprende o tempo todo, inclusive quando ela faz sua higiene pessoal e quando ela brinca livremente, por exemplo.

3ª Como a escola expressa a avaliação da criança.

As perguntas fundamentais que precisam ser feitas: há espaços formais de devolutiva para a família sobre o processo de aprendizagem da criança? Quais são os critérios utilizados: há provas? Como elas são? As crianças são avaliadas por outras formas? Quais? Em que momentos? Há espaço para o desenvolvimento de habilidades socioemocionais ou somente conteúdos formais e acadêmicos? Se possível, peça para ver a forma como esta avaliação é expressa, se por um relatório ou por notas? Quando a escola tem um processo de avaliar de forma mais ampla e apresenta relatórios, para demostrar a aprendizagem da criança, isto pode ser um sinal de uma escola que compreende a avaliação como momento de feedback das aprendizagens e não meramente uma forma de medir um conhecimento pontual. É importante também observar se as crianças são desafiadas para resolver problemas nos momentos de avaliações ou se basta responder certo e errado. Neste ponto da avaliação da aprendizagem é necessário perguntar sobre projetos em que as crianças se envolvem e quais os objetivos destes.

Além destes três pontos que abordei acima,

existe uma outra dimensão importante em que é possível avaliar a escola:

a forma como você está sendo atendido no momento da conversa. Este ponto exige do adulto aquela sensibilidade em perceber a empatia e a transparência nas informações. Lembrando que educar não é algo simples e que sempre haverá conflitos a serem administrados. Deixo aqui uma outra questão fundamental: como a escola se comunica? Há uma sistemática de diálogo firme, segura e sem violência? Lembrando que há muitas formas de estabelecer a comunicação. Mas este é um tema para um novo texto, em uma próxima abordagem. Até lá.

Prof.ª Dr.ª Janete Cardoso

Professora, mentora educacional, pedagoga, doutora em educação pela PUCRS.




10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page